Foto: Matheus Vieira/Video Burn

Estudantes do Brasil inteiro manifestaram contra o contingenciamento de verbas da educação e também a suspensão de bolsas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) anunciado pelo governo federal. Em Ribeirão Preto, houve uma marcha partindo do campus da Universidade de São Paulo (USP) em direção à esplanada do Theatro Pedro II.

Com início marcado para as 6h, o ato contou com panfletagem, uma aula pública com professores da USP e também com apresentação das atividades de pesquisa e extensão desenvolvidas pela USP para a população, conhecido como Universidade Vai à Praça. Os manifestantes prosseguiram para a Câmara Municipal para atividades sobre o projeto “Escola sem partido”.

A estudante de enfermagem na USP Marina Fernandes diz que o ato foi importante, mesmo a faculdade em que estuda sendo estadual, porque o Ministério da Educação mantém projetos dentro da USP através do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Com esses cortes, o Programa de Educação Tutorial (PET), projeto que ela participa, pode ser encerrado.

“Vendo como funciona o governo, o corte principal vai ser no ensino superior, e aí entra o PET”, comenta. O programa trabalha com ensino, pesquisa e com extensão. Pra fazer isso, o PET precisa das verbas “Eu não teria condições de fazer mestrado ou doutorado se não conseguir uma bolsa. Ciência é um trabalho. É triste saber que essas coisas talvez não venham a acontecer”, finaliza.